Denilson Baniwa — INÍPO: Caminho de transformação

A Secretaria de Estado da Cultura do RS — Sedac, por meio do Museu de Arte do Rio Grande do Sul — MARGS, traz a público a partir deste sábado, 27.11.2021, a exposição “Denilson Baniwa — INÍPO: Caminho de transformação”

A mostra, que seguirá em exibição até 09.01.2022, faz parte da programação do 7º Festival Kino Beat, uma correalização com o Goethe-Institut Porto Alegre

No MARGS, a primeira exposição em Porto Alegre do artista amazonense e indígena do povo Baniwa integra o programa expositivo intitulado “Poéticas do agora”, voltado a artistas atuais cuja produção recente tem se mostrado promissora e relevante no campo artístico contemporâneo.

A visitação é gratuita e pode ser feita de terça a domingo, das 10h às 19h (último acesso 18h30), com todos os cuidados e medidas do protocolo de segurança sanitária do Museu (confira abaixo, no serviço).

Com curadoria de Gabriel Cevallos, diretor-curador do Kino Beat, “Denilson Baniwa — INÍPO: Caminho de transformação” se apresenta como uma exposição-percurso, com exibição fragmentada em 3 locais físicos e 1 virtual. As obras estarão no Goethe-Institut Porto Alegre, Salas Negras do MARGS, Jardim Lutzenberger da Casa de Cultura Mario Quintana e no Instagram do festival (mais detalhes abaixo).

Nas Salas Negras do MARGS, é apresentada a série de gravuras digitais “Aquela gente que se transforma em bicho”, com 3 gravuras produzidas para a exposição, em um total de 8, todas medindo 120 x 84. Os trabalhos retratam alguns dos seres duplos (espírito bicho-gente), que, na teoria do perspectivismo ameríndio, indica que “tudo o que existe no cosmos pode ser sujeito, mas todos não podem ser sujeitos ao mesmo tempo, o que implica uma disputa.”  Também estarão em exibição os vídeos “Ty Ty — Memórias de beija-flor” (3’26”) e “Floresta-Casa derrubada (A última maloca do fim do mundo)” (2’41”), que abordam questões de indígenas em contexto urbano, as memórias da floresta, a constante luta por territórios, e as violências da colonização.  

As obras expostas no MARGS estarão cobertas por panos pretos da abertura até 03.12.2021, em luto pela morte do artista Jaider Esbell, falecido no início de novembro. 

Na terça-feira, 30.11.2021, às 19h, Denilson Baniwa participa de uma fala na programação do Kino Beat, pelo YouTube do festival: https://www.youtube.com/watch?v=t1wgqSs15tM

Pelo programa “Poéticas do agora” do MARGS, a individual de Denilson Baniwa dá sequência às mostras “Bruno Borne – Ponto vernal” (2019/2020), “Bruno Gularte Barreto – 5 CASAS” (2021) e “Estêvão da Fontoura: DESOBECIÊNCIA – Arte e ciência no tempo presente” (2021). O objetivo do programa é destacar pesquisas em poéticas visuais artísticas que investem na investigação e experimentação de linguagem, bem como na transdisciplinaridade dos meios, operações e procedimentos.

 

A EXPOSIÇÃO-PERCURSO

“Denilson Baniwa — INÍPO: Caminho de transformação” se apresenta como uma exposição-percurso, com exibição fragmentada em 3 locais físicos e 1 virtual. A mostra traz a público trabalhos inéditos e recentes, criados entre 2020 e 2021. Com pintura mural, gravuras digitais, vídeo, lambe-lambe, e um filtro digital interativo.

O percurso sugerido da exposição começa no Goethe-Institut Porto Alegre, com a pintura Muyeréusáwa Rúka no muro de entrada da instituição. O trabalho criado especialmente para o projeto ilustra em mais de 11 metros de superfície os petróglifos, gravuras rupestres que narram fatos e mitos do povo indígena Baniwa; e as Casas de Transformação, locais sagrados de onde surgem os conhecimentos ancestrais. Pintado com cores fluorescentes sob base escura, o muro terá iluminação noturna com luz ultravioleta (luz negra), criando um efeito visual que remete ao encantamento dos seres da floresta.  A instalação também dá continuidade ao projeto de ocupação artística do muro do Instituto realizado desde 2018.

Nas Salas Negras do MARGS, será apresentada a série de gravuras digitais “Aquela gente que se transforma em bicho”, com três gravuras feitas para exposição, em um total de oito, todas medindo 120×84. Os trabalhos retratam alguns dos seres duplos (espírito bicho-gente), que na teoria do perspectivismo ameríndio, indica que “tudo o que existe no cosmos pode ser sujeito, mas todos não podem ser sujeitos ao mesmo tempo, o que implica uma disputa.” Também serão exibidos os vídeos “Ty Ty – memórias de beija-flor” (3’26”) e “Floresta-Casa derrubada (A última maloca do fim do mundo)” (2’41”). Os vídeos abordam questões de indígenas em contexto urbano, as memórias da floresta, a constante luta por territórios, e as violências da colonização.  

Seguindo o percurso rua abaixo, no 5º andar da Casa de Cultura Mario Quintana, o Jardim Lutzenberger recebe o lambe-lambe de grande dimensão “Repovoamento de uma cidade Floresta”, colada na fachada da Casa e nas paredes que circundam o jardim suspenso, a figura de um pajé soprando seu cigarro-sagrado diversas espécies de animais, representa os saberes e poderes da comunicação transcendental do “diplomata do cosmos”. As colagens dos animais se misturam com as muitas espécies de plantas do jardim.   

O filtro digital interativo “Yawareté”, desenvolvido especialmente para exposição, pode ser acessado de qualquer lugar, antes, durante ou depois do percurso, através de um telefone celular com acesso ao aplicativo Instagram. O filtro brinca com a ideia da transformação do humano em bicho e do bicho em humano. A figura da onça, marca registrada do trabalho de Denilson, surge como uma máscara junto com os animais encantados, os mesmos pintados no mural do Goethe-Institut Porto Alegre. Para testar o filtro, acesse o perfil do Kino Beat no Instagram: @kinobeatfestival na sessão destaque.  

Todas as atividades são gratuitas. Nos espaços fechados, é necessário o cumprimento das orientações sanitárias vigentes nas instituições. 

Patrocínio: Oi, apoio Oi Futuro e LABSONICA. Financiamento: PRÓ-CULTURA – Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Cultura do RS Para mais informações, acesse www.kinobeat.com

 

TEXTO CURATORIAL

Por Gabriel Cevallos
Curador da exposição e diretor-curador do Kino Beat

Um traçado sinuoso de três quilômetros marca a distância geográfica entre o muro do Goethe-Institut Porto Alegre, as Salas Negras do MARGS e o Jardim Lutzenberger da Casa de Cultura Mário Quintana. O mapa que ilustra esse caminho, também indica que a caminhada entre os locais que recebem a exposição dura trinta e seis minutos. Mas o dado mais interessante emerge enquanto uma epifania visual: a linha virtual que se forma ao juntar os pontos A, B e C, desenha uma grande serpente espalhada pelo coração da cidade. É a partir desse INÍPO (caminho) com aparência de cobra, que escolhemos o mito da Viagem de Transformação para ser o guia de entrada no universo de Denílson, e dos Baniwa.   

Ao fragmentar a mostra para se criar um percurso – um deslocamento físico e virtual para acessar as obras –  surge um formato de exposição que simboliza o caminho realizado pela Canoa-Serpente de Transformação ao longo do Rio Negro e seus afluentes. No mito de criação da humanidade segundo a maior parte dos povos indígenas do Alto Rio Negro no Noroeste Amazônico, a canoa-serpente é o local onde os primeiros ancestrais humanos-peixes se formaram no decorrer de um caminho de transformações. A cada parada da canoa, os ancestrais adquiriam conhecimentos e poderes e algum povo e local sagrado se estabelecia. 

Os trabalhos exibidos nesta exposição partem deste mito originário para expandir as  representações de aspectos relacionados a cosmogonia e contemporaneidade Baniwa: a comunicação transcendental dos pajés, os petróglifos (gravuras rupestres), o contexto urbano, e a perspectiva da essencialidade humana ser partilhada por animais – e também por outros reinos – são alguns dos relatos presentes nas obras. 

“A arte indígena sempre conta uma história. É um modo de guardar nossa memória, como se fosse um banco de dados.”, diz o artista. O esgotamento das grandes narrativas que regem o mundo nos últimos séculos aparentam ter chegado em seu ápice no Brasil pandêmico. Assolados por uma complexa crise que atravessa todos os estratos da vida, a busca por histórias que sugerem outras formas de ser e estar no mundo mostram-se não apenas como retórica, mas como um possível caminho para adiar o fim do mundo, como nos ensina o pensador Ailton Krenak. Se as tintas que escreveram a História até agora – parecem falhar em apontar esses caminhos – o generoso arquivo atemporal dos Baniwa, dos Krenak ou de outros povos indígenas ao redor do mundo se mostram disponíveis para consulta, como sempre estiveram. O que estamos fazendo com esses conhecimentos, que entre tantos ensinamentos indicam uma relação mais afetuosa e de cuidado com a casa comum em que vivemos? 

Essa exposição-percurso é uma pequena janela para algumas dessas histórias e memórias coletivas, contadas por Denilson Baniwa através de gravuras digitais, vídeos, pintura mural, lambe-lambe e um filtro virtual. A apresentação desse recorte do banco de dados opera num jogo de traduções: “traduções das vozes da floresta, das pedras, da água e de todos os seres vivos. A arte indígena, pode ser aliada no entendimento de mundos, pois ela mesmo, transita entre o ancestral e a plasticidade do mundo moderno.” Complementando Denilson, o artista Jaider Esbell escreve que arte indigena contemporânea não está apenas atrelada ao seu passado, “a ancestralidade é mobilizada no agora, reconfigurando posições enunciativas e relações de poder para produzir outras formas de encontro entre mundos não fundamentadas nos extrativismos coloniais”. 

A possibilidade de encontros e alianças entre mundos, a busca por uma comunicação interdependente, as traduções e escutas das vozes de animais, vegetais, minerais e de outros reinos já classificados pela ciência ou fabulados pela arte, são alguns dos pontos que confluem a exposição dentro da programação do 7º  Festival Kino Beat. 

Cada ponto da Exposição-percurso pode ser visto individualmente e compreendido enquanto uma obra ou série de obras autônomas. Seja na rua, museu, jardim ou virtualmente, a fruição é integral em cada local visitado. Mas é na força do percurso que pode-se compreender a totalidade. Propondo uma relação entre obras que não acontece apenas em uma espacialidade confinada, a exposição-percurso se espalha no corpo da cidade, num trajeto serpenteado entre as instituições que torna o caminho entre elas parte da experiência.

 

O ARTISTA  

Nascido em Barcelos, no interior do Amazonas, Denilson Baniwa é indígena do povo Baniwa. Atualmente, vive e trabalha em Niterói, no Rio de Janeiro. Como ativista pelo direito dos povos indígenas, realiza, desde 2015, palestras, oficinas e cursos, atuando fortemente nas regiões sul e sudeste do Brasil e também na Bahia.

Sua primeira exposição individual aconteceu no Centro Universitário Plínio Leite, em Niterói, no ano de 2011. Em 2018 realizou a mostra “Terra Brasilis: o agro não é pop!”, na Galeria de Arte da Universidade Federal Fluminense, também em Niterói, como parte do projeto “Brasil: A Margem”, promovido pela universidade. No mesmo ano, participou da residência artística da quarta edição do Festival Corpus Urbis, realizada no Oiapoque, no Amapá. Além de artista visual, Denilson é também publicitário, articulador de cultura digital e ilustrador, contribuindo para capas de livros e séries de TV. Em 2019, foi indicado ao Prêmio Pipa e venceu a categoria online do Prêmio.

 

SERVIÇO

Exposição Denilson Baniwa — INÍPO: Caminho de transformação”

Quando: inauguração sábado, 27.11.2021. A mostra seguirá em exibição até 09.01.2022

Onde: Salas Negras do MARGS

Visitação: terça-feira a domingo, das 10h às 19h (último acesso 18h30), sempre com entrada gratuita, sem necessidade de agendamento. O MARGS também oferece ao público visitas mediadas para grupos de até 6 pessoas, de quinta-feira a sábado, em 2 faixas de horários (10h30 às 12h e 14h às 15h), mediante agendamento prévio no Sympla (www.sympla.com.br/produtor/museumargs).

 

REGRAS DE ACESSO E VISITAÇÃO

> Controle de público (grupos até 6 pessoas)

> Uso de máscara

> Medição de temperatura

> Respeito à distância de 2m

Lembramos que o uso correto da máscara é obrigatório durante toda a visitação.

Não deixe de apreciar as delícias da nossa Cafeteria e conferir a Livraria e Loja do MARGS.

 

 

MARGS | MUSEU DE ARTE DO RIO GRANDE DO SUL

Instituição museológica pública, vinculada à Secretaria de Estado da Cultura do RS, voltada à história da arte e à memória artística, assim como às manifestações, linguagens, investigações, pesquisas e produções em artes visuais.

O MARGS realiza seus projetos por meio do Plano Anual via Lei de Incentivo à Cultura Federal, gerido pela Associação de Amigos do Museu (AAMARGS). O Plano Anual 2021 (Pronac: 203582) conta com os seguintes patrocinadores e apoiadores.

Patrocínio

BRDE

CMPC Celulose Riograndense Ltda

Vero Banrisul

Sulgás

Apoio

AAMARGS – Associação dos Amigos do Museu de Arte do Rio Grande do Sul 

Café do MARGS

Banca do Livro

Bistrô do MARGS

Arteplantas

Tintas Killing

iSend

Realização

Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Secretaria de Estado da Cultura do RS

MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul 

MARGS

Praça da Alfândega, s/n°

Centro Histórico, Porto Alegre, RS

90010-150
Visitação de terça a domingo, 10h às 19h, entrada gratuita

Telefone: (51) 3227-2311

Site: www.margs.rs.gov.br

Facebook: https://www.facebook.com/museumargs

Instagram: www.instagram.com/museumargs

Comentários

comentários

Apoio e Realização