Artista alemão Ottjörg A. C aborda o arquétipo da encarnação do ser gaúcho em exposição no MARGS

Encarnação é uma palavra que tem sentidos físicos e meta-físicos. Aqui, nesta exposição, Ottjörg A. C. propõe algumas modalidades dela se manifestar esteticamente, num diálogo direto com o contexto brasileiro, que interpela o espectador rio-grandense.

Assim, o artista alemão capta, na obra “Marca Urbana”, o arquétipo da encarnação do ser gaúcho, através de transfigurações da castração e marcação de potros, revelando como tradicionalmente se lida com a potencia e sua apropriação e valorização nestas paragens.  Espalhadas em monumentos da cidade, essas transfigurações se insinuam no espaço urbano, como totens.

Dentro do espaço expositivo, Ottjörg propõe trabalhos em suportes diversos. Há um desenho de touro, da  série “Azul da Prússia”, que é realizada  com sangue oxidado de gado alemão.

Há uma instalação, misto de estúdio fotográfico e de sala de interrogatório, que convida o espectador a entrar e participar do ritual de um matadouro, lugar por excelência em que a vida se transforma em carne – produção em série. Sentado nesse ambiente sangrento, você não pode vê-la diretamente, nem ao Messias que comanda a encarnação; mas pode fazer um selfie, testemunhando que esteve lá, e postá-lo no Instagram.

Finalmente, há a obra “Imagine there is no rhino…”, onde o tema da encarnação é abordado pela via do absurdo. Aqui, as imagens agenciam a transformação dos humanos em objeto de manipulação, por vias surreais que associam Cacareco, Malevich e Ionesco, numa espécie de pesadelo.

Gente, animal, carne. A matéria-prima da exposição de Ottjörg é a nossa própria encarnação

Laymert Garcia dos Santos – Curador

 

SERVIÇO

Título: Encarnação
Artista: Ottjörg A. C.
Curadoria: Laymert Garcia dos Santos
Período: 27 de novembro de 2018 a 27 de janeiro de 2019
Local: Galeria João Fahrion do MARGS
Entrada Franca

Comentários

comentários