Mostra fotográfica registra instantes do tempo e marcas de experiência

 O Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli inaugura a mostra fotográfica Tempo Tangível, de Rogério Medeiros, dia 14 de julho (quinta-feira), às 18h30min, nas Salas Negras, com entrada franca. A exposição pode ser visitada até 14 de agosto, de terças a domingos, com entrada franca. Visitas mediadas podem ser agendadas pelo e-mail educativo@margs.rs.gov.br.

As obras da exposição Tempo Tangível são compostas por colagens de tiras ou fragmentos de dezenas de fotografias tomadas do céu; em alguns casos num mesmo dia, em outros no decorrer de até uma semana. O fotógrafo explica que sempre tem a estética como grande motivação no desenvolvimento de seu trabalho e, apesar de ser esta a primeira vez, era antiga a vontade de explorar  cores sólidas. Rogério gosta da ideia de um assunto banal, porém rico em opções cromáticas; também do fato de as variações de cores resultarem de momentos e influências meteorológicas diferentes, o que faz deste um processo essencialmente fotográfico, feito com o registros de instantes. Durante o desenvolvimento deste corpo de trabalho várias questões e reflexões acerca da intangibilidade do tempo surgiram.

Ao unir em uma mesma obra segmentos de fotografias tomadas em momentos diferentes, o tempo é condensado em um instante, o do observador; de forma oposta, quando fragmenta em diversos cortes uma fotografia tomada em um único instante, o momento é alongado entre a desconstrução do que foi captado e a reconstrução de uma nova interpretação. Também há a questão da vivência do mesmo momento ter significados diferentes para pessoas diferentes, exemplificado no díptico de tiras tramadas, onde a fusão cromática apresenta diferenças pela simples inversão da ordem de cortes e tramas, assim como o conjunto de experiências de cada um.

O objetivo da série é adicionar o trabalho manual ao fazer artístico fotográfico e realizar a visualização através do processo artesanal, daí a escolha por cortes e colagens, linguagem que Rogério explora com diferentes volumes e tipos de cola, cortes com estilete e à mão livre, como na obra 09.01.2013 – Momento Fragmentado, em que o instante é desconstruído, a partir do rasgo da fotografia com as mãos, em pequenos pedaços e bordas lixadas com as suas unhas para, depois, reconstruir a imagem colando cada uma de maneira disforme, intuitiva, assim criando uma nova realidade, um novo instante aonde as marcas do artista são deixadas. São marcas da experiência, do tempo por ele percorrido e dos sentimentos acumulados.

 

Rogério Medeiros – Fotografias

Passados 10 anos desde a sua primeira exposição no MARGS, Rogério Medeiros retorna ao museu, desta vez com uma série de tendência minimalista, que decidiu chamar de “Tempo Tangível”, isto é, aquele átimo, fugaz como a trajetória de uma estrela cadente, em que a imagem pode ser apreendida e eternizada pelas lentes de uma câmera. Não são imagens ao acaso, ainda que sacadas pelo toque sobre o disparador, assim como qualquer fotografia. E aqui, a câmera do artista não substituiu o olhar. Eu sinto que este toque resistiu ao momento único em que poderia dar-se: aguardou a compleição própria da luz, e não a do objeto, e então, fruto do olhar sensível, aconteceu. O resultado é uma sucessão de imagens que agora distribuídas nas Salas Negras interrogam-se, interligam-se numa linguagem muito própria, sempre a partir de um horizonte imaginário, para fundir-se, mais adiante, entrelaçadas em curiosa geometria. O MARGS acolhe esta exposição com muito apreço por Rogério Medeiros, talentoso fotógrafo gaúcho que, residindo há mais de duas décadas em São Paulo, volta às origens para nos trazer notícias.

 

Paulo C. Amaral

Diretor do MARGS

 

Rogério Medeiros é fotógrafo dedicado à produção artística. É autor do livro Ritmo e Gesto (2012, Museu a Céu Aberto) e dos ensaios Entre a Terra e o Mar (2003), Sombra de Dúvida (2006) e Céu  (2014). De suas exposições individuais destacam-se a da Pinacoteca do Estado de São Paulo (2003), Fundação Cultural Ormeu Junqueira Botelho (2003), Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (2004), Museu de Arte do Rio Grande do Sul (2006) e Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (2013). Das exposições coletivas, Museu de Arte de São Paulo (2004 e 2006), Museu de Arte do Rio Grande do Sul (2006). Suas obras estão nos acervos da Pinacoteca do Estado de São Paulo; Museu de Arte de São Paulo, Coleção Pirelli; Itamaraty, Consulado Geral do Brasil em Paris e Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul.

 

Realização

Museu de Arte do Rio Grande do Sul

Governo do Estado do Rio Grande do Sul

 

Apoio

Café do MARGS

Arteeplantas

Celulose Riograndense

AAMARGS

 

 

Exposição Tempo Tangível

Artista: Rogério Medeiros

Abertura: 14 de julho, às 18h30min

Visitação: de 15 de julho a 14 de agosto

Local: Salas Negras

 

 

 

Museu de Arte do Rio Grande do Sul

Localização: Praça da Alfândega, s./n.

Centro Histórico, Porto Alegre

Telefone: 32272311

Entrada Franca

Site: www.margs.rs.gov.br

www.facebook.com/margsmuseu

www.twitter.com/margsmuseu

Comentários

comentários

Apoio e Realização