Lançamento do livro sobre a carreira de Zoravia Bettiol acontece sábado (18/03) no MARGS

capa livro zoravia bettiol_o lírico e o onírico web

A artista e os curadores da exposição “Zoravia Bettiol – O lírico e o onírico” lançam livro homônimo à mostra realizada no fim de 2016. Com sessão de autógrafos e coquetel, o evento ocorre neste sábado, 18 de março, no Margs (Praça da Alfândega, s/nº), das 10h às 13h.

A obra é um catálogo resultante da mostra que ficou em cartaz na Pinacoteca do Museu até dezembro do ano passado. Na ocasião, cada exemplar será vendido a R$ 65,00. Posteriormente, será comercializado por R$ 85,00.

Com farto material iconográfico, a publicação conta ainda com texto dos pesquisadores, professores, historiadores e críticos de arte Paula Ramos e Paulo Gomes – que foram os curadores da exposição comemorativa aos 80 anos de vida da artista e às mais de seis décadas de carreira. Pautada no lirismo e na fantasia, aspectos marcantes da personalidade, do processo artístico e da poética da artista, a seleção reuniu obras de mais de 60 anos dedicados às artes visuais, em desenho, pintura, gravura, arte têxtil, objetos, ornatos e joias, além de registros de performances.

Apesar da pluralidade, há uma inconteste unidade, manifestada nos temas e nas linguagens, bem como no aspecto narrativo de suas obras, segundo os curadores.

 

Uma artista singular

Zoravia Bettiol (Porto Alegre, RS, 1935) iniciou sua trajetória no campo das artes visuais em 1952, quando ingressou no Instituto de Belas Artes (IBA), atual Instituto de Artes da UFRGS. Esse é o marco da carreira de uma artista que transita por diversos gêneros e suportes: pintura (sua ênfase acadêmica), gravura, desenho, arte têxtil, criação de joias e de objetos, design de superfície, performances e instalações. Com obras em acervos de alguns dos mais importantes museus de arte do mundo, Zoravia já realizou 136 exposições individuais, tendo apresentado seu trabalho em pelo menos 21 países.

Em 1956, a artista começou seu percurso na gravura, quando passou a frequentar o ateliê do escultor e gravador Vasco Prado (Uruguaiana, RS, 1914 – Porto Alegre, RS, 1998), com quem dividiu grande parte da sua vida artística e afetiva. Casou-se com Vasco em 1959, construindo com ele uma família que originou três filhos, em uma relação que perdurou por 26 anos. Sua produção em gravura e, em especial, em xilogravura, valeu-lhe diversos prêmios e o reconhecimento nacional e internacional.

No final dos anos 1960, encantada com as possibilidades da arte têxtil, lançou-se a essa técnica, instaurando uma linguagem que pautaria a produção de toda uma geração. O têxtil, por sua vez, a conduziria às joias e essas aos headdresses, costumes e performances. Apesar da pluralidade, há uma inconteste unidade, manifestada nos temas e nas linguagens, bem como no aspecto narrativo de suas obras.

Ao lado de suas pesquisas formais e de sua intensa produção artística, impossível esquecer o ativismo. Os interesses ecológicos, sociais e a crença em um mundo mais justo e fraterno movem-na incansavelmente, fazendo de Zoravia, aos 80 anos, uma jovem cheia de sonhos e com vívido brilho no olhar.

 

SERVIÇO

ZORAVIA BETTIOL – O lírico e o onírico, de Paula Ramos e Paulo Gomes

 

Lançamento da publicação com sessão de autógrafos da artista e dos autores: dia 18 de março de 2016, sábado, às 10h

 

MARGS

Praça da Alfândega, s/nº – Centro Histórico – Porto Alegre/RS

FacebookTwitterGoogle+PinterestWhatsApp

Comentários

comentários