Angela Zaffari fala com o público sobre exposição no MARGS

ConversaComArtistas_Angela-Zaffari

O “Conversas com Artistas” do dia 1º de setembro (sexta) tem como convidada especial a artista plástica Angela Zaffari, que vai falar sobre sua exposição “Do quadrado à Paisagem”, às 16h, na galeria Iberê Camargo do MARGS. O encontro é organizado pelo Núcleo Educativo do Museu e tem entrada franca. Os lugares disponíveis serão preenchidos por ordem de chegada, sem necessidade de inscrição prévia.

O MARGS funciona de terças a domingos, das 10h às 19h, com entrada gratuita. Visitas mediadas podem ser agendadas no e-mail educativo@margs.rs.gov.br.

A exposição “Do quadrado à Paisagem” está em cartaz no MARGS desde  4 de agosto, na Galeria Iberê Camargo do museu. Tem curadoria de Ana Zavaldil e Leticia Lau e pode ser visitada até 24 de setembro, com entrada franca.

Para a exposição foi criada uma instalação utilizando um conjunto de caixas de acrílico transparente com papeis coloridos dentro simulando os quadrados de cor, presentes nas pinturas como uma nova forma de apresentar suas composições.

A mostra surgiu da vontade de Angela de mostrar sua nova série iniciada em 2015, onde a partir dos seus quadrados coloridos em busca de nova proposta de pintura encontra nas imagens pixeladas uma vontade de pintar fotografias de viagens e lugares que tem um significado especial para ela.  A exposição conta com um total de 16 obras em acrílica sobre tela, 04 em acrílica sobre papel e 01 instalação, todas especialmente desenvolvidas para a exposição no MARGS.

Angela explica que a paisagem, por ora apresentada, remete ao início da sua trajetória artística, pois através dela ingressou pelos caminhos da pintura.

O resultado de todo este processo é uma explosão de cores, onde a preocupação com o rigor formal inexiste, dando espaço a busca de um colorido que talvez seja inatingível, mas que proporciona uma verdadeira experiência sensorial aos olhos de quem vê.

 

Angela Zaffari é natural de Porto Alegre (1965) e radicada na cidade de Bagé, trabalha com pintura desde 2006.

 

 

Texto curatorial

Quadriculando a Paisagem

O trabalho de Angela Zaffari permite o acesso a múltiplas leituras, uma vez que se apresenta em composições distintas. Uma classificação precisa não é o caso para esta série de obras, visto que são paisagens, melhor dizendo, uma história que vai do quadrado à paisagem.

O fato é que os trabalhos nascem de um fazer laborioso focado na qualidade técnica da pintura e cujas obras representam paisagens reais ou imaginárias, espontâneas ou construídas. Perceber os personagens que fazem parte desses enquadramentos oportunizará entrar no mundo novo da poética de Angela Zaffari, pois de um território conhecido se chega a outros menos conhecidos.

A exposição Do Quadrado à Paisagem cria novas relações entre arte/vida/ciência, e isso se concretiza no trabalho da artista pelo movimento do seu universo poético e o seu campo específico de trabalho em um território de cruzamentos sem fronteiras delimitadas.

Para entender seu processo tal como ele ocorre hoje, é necessária uma análise a partir das seguintes dimensões: da conceitualização teórica, dos antecedentes históricos, da sua transformação e da sua especificidade atual.

Neste texto, além de explicitar as questões acima, procuro ainda salientar a questão que chamo de “mix-appeal”, ou seja, de um apelo à mistura, em que a qualquer momento pode surgir novos fragmentos ou totalidades parciais, abertas e sempre em movimento, em contínua metamorfose.

O quadrado é o ponto de partida do percurso que dá origem à obra. A partir dele, é que se abrem todas as possibilidades dentro do trabalho. Porém, abre-se também a inquietação na busca de colocar esse signo em consonância com as suas pesquisas e na aparência da obra como constituinte imprescindível e com a capacidade de inovação para cada trabalho da mostra. Esse fato artístico nos leva direto ao conceito de repetição de Gilles Deleuze.

A repetição pensada a partir da diferença, como quer Deleuze, e da maneira que interessa à arte, não significa só singularidade, mas também multiplicidade. A repetição gera deslocamentos e tem o seu potencial no jogo e no acaso. Para o filósofo francês, repetição é transgressão, já que “a repetição pertence ao humor e à ironia, sendo por natureza transgressão, exceção e manifestando sempre uma singularidade contra a generalidade…”.[i]

No trabalho de Angela Zaffari, o deslocamento e a transgressão aparecem em cada linha formada pelos quadrados, porque a linha nunca será a mesma, uma nova ordem se estabelece, em que diferenças são encontradas na série de elementos coexistentes. Pode-se afirmar ainda que o diferente se refere ao diferente pela diferença.

Podemos encontrar referências no contexto da história da arte para as pesquisas de Angela Zaffari apenas citando dois nomes de dois movimentos de vanguarda do século XX: Kazimir Malevich (1878-1935), principal artista do Construtivismo Russo, e Piet Mondrian (1872-1944) do Neoplasticismo. No primeiro movimento, a pintura e a escultura eram pensadas como construções e não como representações. Os quadrados coloridos nas pinturas de Angela Zaffari remetem a construções e quando saem da tela para ocupar um espaço tridimensional na parede fica mais evidente essa característica. Já o Neoplasticismo influenciou uma geração de artistas brasileiros, principalmente os do Grupo Ruptura de São Paulo e os do Grupo Frente no Rio de Janeiro, no período da Arte Concreta, e segue influenciando novas pesquisas artísticas.

Como já foi citado, o quadrado como dimensão simbólica é uma das forças no trabalho, mas a segunda potência está relacionada à cor. Na arte contemporânea, a partir dos anos de 1960, a cor no campo da visualidade foi muito explorada e repensada, basta lembrar-se do artista brasileiro Hélio Oiticica (1937-1980), um dos expoentes da arte internacional. Os trabalhos dele saíram da parede para os objetos, mas em nenhum momento abandonou as cores fortes e pontuais. Ele mesmo afirmou “a cor é a primeira revelação do mundo”.[ii] A cor corporifica-se em outro material – o papel – e vai para a parede em nova relação com a sua obra agora em sintonia com o objeto. O quadrado e a cor em constante movimento que modifica a experiência do fazer e transforma esse ato em novas experimentações. Esse fazer demanda um tempo em eterno movimento, em “eterno retorno”. A relação espaço/temporal que permeia o trabalho intensificado pela cor cria uma nova percepção e sinestesia estética.

A mostra em questão é composta por uma série de trabalhos que transmitem fortes relações visuais pautadas nos elementos cor e quadrado, que não se encerram em suas próprias plasticidades, mas trazem reflexões sobre o aspecto conceitual de sua produção e desafiam o espectador a compreender a sua lógica processual e poética.

O resultado plástico do conjunto apresenta uma narrativa poética com intervalos aos quais denominei de ponto, ou seja, um quadrado de uma cor só, reforçando o sentido de pausa entre a densa narrativa sugerida pelas telas que representam paisagens e seus desdobramentos com seus ritmos e suas cores imponentes. As paisagens são retiradas de cenas de viagens da artista e transformadas através de pixels[iii], pois a coerência faz parte do processo, e as imagens são transformadas nessa unidade de medida digital com o intuito de ter uma imagem visível por meio da união dos quadrados.

A exposição cria a necessidade para o espectador de olhar atentamente as obras e desvendar as conexões entre elas e a potência do seu alcance. Só então poderá buscar novos sentidos e relações entre o conjunto.

A exposição Do Quadrado à Paisagem convida o público para conhecer o lado mais subjetivo do trabalho de Angela Zaffari, em que o assunto de suas pinturas se volta à paisagem. O quadrado e a cor marcantes também em suas produções anteriores agora se revestem de novas nuances e combinações trazendo autonomia estética, em que os jogos visuais propostos implicam profícuas misturas entre pesquisa e técnica onde o resultado final é um conjunto de obras de grande valor visual.

Ana Zavadil – curadora

 

SERVIÇO:

Título: “Conversas com Artistas”

Convidada: Angela Zaffari

Data: 1º de setembro de 2017 (sexta-feira)

Horário: 16h

Local: Galeria Iberê Camargo

Entrada Franca

 

Informações:

Tel.: (51) 32257551 – Núcleo Educativo do MARGS / educativo@margs.rs.gov.br

 

  

Patrocínio

Banrisul

BRDE

 

Apoio

AAMARGS

Arteplantas

AZ Galeria

Babilônica Arte e Cultura

Café do MARGS

Celulose Riograndense

 

 

 

Museu de Arte do Rio Grande do Sul

Localização: Praça da Alfândega, s./n.

Centro Histórico, Porto Alegre, RS

Telefone: 32272311

Entrada Franca

Site: www.margs.rs.gov.br

www.facebook.com/margsmuseu

www.twitter.com/margsmuseu

[i] (DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. Rio de Janeiro: Graal,1988, p.27).

[ii] (OITICICA, Hélio, 1960-61. Vários Escritos. Itaú Cultural)

[iii] Pixel ou pixel-aglutinação vem de picture e element, isto é, elemento de imagem, sendo pix a abreviatura em inglês para pictures, o menor elemento em um dispositivo de exibição (por exemplo, um monitor), ao qual é possível se atribuir uma cor. De uma forma mais simples, um pixel é o menor ponto que forma uma imagem digital, e o conjunto de pixels forma a imagem inteira. https://www.priberam.pt/dlpo/pixel

FacebookTwitterGoogle+PinterestWhatsApp

Comentários

comentários