Política de exibição e aquisição | Comitês de Acervo e Curadoria

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS) é uma instituição museológica voltada à história da arte e à memória artística, assim como às manifestações, linguagens, investigações e produção em artes visuais.

Sua principal finalidade é colecionar, catalogar, documentar, guardar, conservar, restaurar, pesquisar e exibir os seus acervos artístico e documental, a fim de desenvolver exposições e atividades que proporcionem aos públicos experiências enriquecedoras, transformadoras e acolhedoras.

Assim, tem como como prioridade a pesquisa e a produção de conhecimento avançado sobre arte, com o compromisso de democratizar o acesso a estes conteúdos por meio do desenvolvimento de ações e estratégias envolvendo o programa artístico, as políticas institucionais de exibição e aquisição, a ação educativa e a gestão museológica.

A atual Direção do MARGS, na figura do diretor-curador, tem investido em uma política curatorial e educacional que esteja a par de discussões e problemáticas prementes a serem enfrentadas pelas instituições museológicas e artísticas, sobretudo por aquelas que se orientam pela busca de relevância e atualidade.

Para amparar a implementação, a condução e a qualificação das políticas institucionais de exibição e aquisição do MARGS, duas instâncias foram estabelecidas em 2019: o Comitê Curadoria e o Comitê de Acervo, integrados por especialistas com notável reconhecimento em suas áreas de atuação e competência, designados pela Direção, tendo como atribuição propor parâmetros qualitativos de avaliação e acompanhamento, como modo de colaborar para a busca da excelência nas ações e operação do museu. 

 

***

 

Política de exposições

A gestão iniciada em 2019 implementou uma orientação institucional no programa artístico e curatorial do MARGS que confere protagonismo a projetos expositivos de execução própria do museu, os quais são propostos, concebidos e desenvolvidos pela Direção e suas equipes, profissionais envolvidos e instituições parceiras, entre mostras individuais e coletivas, com obras tanto de seus acervos artístico e documental como de outras coleções e procedências.

A Direção do MARGS, em coordenação com os núcleos do museu, é responsável pela proposição e desenvolvimento de projetos expositivos-curatoriais e das ações educativas, assim compondo e definindo o programa artística e as atividades públicas da instituição.

Assim, quanto à programação de exposições, o museu prioriza o desenvolvimento de projetos próprios de mostras de acervo ou externas, individuais ou coletivas, conforme a orientação institucional no programa artístico e curatorial do MARGS; enquanto que complementa parte de sua programação com projetos externos.

Desse modo, além das exposições com proposição próprias pelo museu e/ou realizadas em parcerias com outras instituições, o MARGS complementa sua programação com a ocupação de seus espaços expositivos por mostras externas e autofinanciadas que são propostas por iniciativa de terceiros ou que integrem programas específicos. 

Nesse sentido, a política de exibição do MARGS prevê que parte da programação em seus espaços expositivos seja dedicada a propostas externas de projetos curatoriais-expositivos, apresentados e encaminhados por artistas, curadores, produtores e demais agentes e instâncias do sistema artístico, os quais são submetidos a avaliação pelo Comitê de Curadoria.

Tal orientação tem como objetivo implementar um política institucional que procure democratizar o acesso e conferir transparência aos processos de ocupação e uso dos espaços expositivos do museu, reconhecendo e assumindo ser o MARGS uma instituição pública e do Estado do RS. Ao mesmo tempo, busca estimular a inclusão, a diversidade e a equidade de representação frente à divulgação e à promoção da pesquisa e produção em artes visuais, visando a difusão da expressão artística e da memória histórica-cultural.

Para que os projetos externos de exposição sejam apresentados ao museu, há um processo de submissão.

Primeiramente, solicitamos que seja enviada uma apresentação-proposta, que permita compreender do que se trata o projeto em suas linhas gerais. É solicitado também que sejam informadas as parcerias e apoios institucionais, assim como as fontes de financiamento e de captação de recursos, uma vez que os projetos externos devem ser autofinanciados (para custeio de necessidades que envolvem as exposições, como transporte, seguro, montador, iluminador, eletricista, material gráfico, banner, adesivos de parede, soluções expográficas, pintura de paredes etc.).

Essa apresentação-proposta de projetos externos deve ser encaminhada por e-mail à Direção do museu (diretor@margs.rs.gov.br). 

Se a Direção considerar que apresenta alinhamento e convergência com a missão, a orientação da política institucional de exposições e a programação artística do museu, compatibilizando com os critérios definidos como prioritários pela gestão do museu, será solicitada apresentação do projeto, desta vez em reunião com a Diretoria. Nesse caso, será solicitado o projeto expositivo-curatorial, para que seja levado a apreciação no Comitê de Curadoria.

Uma vez recomendadas e aprovadas, essas propostas externas e autofinanciadas de exposição são desenvolvidas em interlocução e acompanhamento com a Direção e as equipes do MARGS, podendo passar necessariamente por adequações que se façam necessárias em nome da garantia do nível de qualidade e excelência que é exigido para as exposições que tenham lugar no MARGS.

 

Comitê de Curadoria

Instância voltada à política institucional de exibição e de programa público do MARGS, tendo como atribuição a análise e o parecer tanto dos projetos e ações desenvolvidos pelo museu quanto das propostas externas de ocupação de espaços.

Sua função é assessorar e aconselhar o diretor-curador, debatendo e analisando os projetos de exposição, a programação artística e as ações educativas, em termos técnicos, conceituais e teóricos. Aos integrantes do grupo externos ao museu, é proposto que desenvolvam um projeto curatorial para o museu.

 

Atribuições do Comitê de Curadoria:

> Avaliar e acompanhar os projetos expositivos, curatoriais e educativos desenvolvidos pelo museu, em alinhamento à política institucional implementada pela direção;

> Emitir pareceres técnicos sobre projetos expositivos e curatoriais apresentados ao museu, definindo as competências e os mecanismos de avaliação de propostas externas a partir de critérios e parâmetros claros e pré-estabelecidos, tais como: vinculação com o objeto cultural, a missão e a visão do museu; qualidade técnica (relevância e densidade artístico-conceitual); inovação, originalidade e ineditismo da proposta; adequação ao espaço físico; incentivo à formação de plateia; democratização de acesso e acessibilidade para pessoas com deficiência;

> Propor, recomendar, aprovar e executar projetos de exposições e curadorias, bem como de ações educativas e de formação de público, em alinhamento à política institucional do museu implementada pela direção.

 

Integrantes do Comitê de Curadoria:

Ana Albani de Carvalho (crítica, curadora e historiadora da arte, professora do Instituto de Artes da UFRGS)

Carla Batista (coordenadora do Núcleo Educativo MARGS)

Eduardo Veras (crítico, curador e historiador da arte, professor do Instituto de Artes da UFRGS)

Fernanda Medeiros (curadora-assistente e coordenadora de operação MARGS)

Francisco Dalcol (diretor-curador MARGS)

Izis Abreu (coordenadora do Núcleo de Curadoria MARGS)

Munir Klamt (artista integrante do duo ÍO, professor substituto da FURG)

Paulo Miyada (curador Instituto Tomie Ohtake, SP)

 

***

 

Comitê de Acervo

Instância voltada à política institucional de gestão dos acervos artístico e documental do MARGS, tendo como atribuição assessorar e aconselhar o diretor-curador quanto às aquisições, doações, guarda, documentação e conservação, debatendo e analisando as propostas e solicitações de doações, em termos técnicos, conceituais e teóricos.

Sua função é qualificar os critérios e as demandas de entrada, bem como de requalificação, levando em conta as condições físicas das reservas e, ao mesmo tempo, questões e problemáticas sobre abrangência, representatividades e suas lacunas.

 

Atribuições do Comitê de Acervo:

> Monitorar a catalogação dos acervos do museu de acordo com o que dispõe o Estatuto de Museus, Lei Federal n.º 11.904/2009;

> Assessorar a direção e emitir pareceres técnicos sobre novas aquisições, a partir de critérios e parâmetros claros e pré-estabelecidos, por meio de compra, doação, permutas ou comodato, observadas as exigências legais para estes termos; tendo em conta a capacidade de guarda das reservas técnicas e a política institucional do museu implementada pela direção;

> Zelar pela guarda e conservação do acervo, tendo também a incumbência de emitir parecer técnico sobre a necessidade de descarte-saída.

 

Integrantes do Comitê de Acervo:

 

Flávio Krawczyk (Diretor do Acervo Artístico das Pinacotecas Aldo Locatelli e Ruben Berta, Prefeitura de Porto Alegre)

Fernanda Medeiros (curadora-assistente e coordenadora de operação MARGS)

Francisco Dalcol (diretor-curador do MARGS)

Igor Simões (crítico, curador, educador e historiador da arte, professor da UERGS)

Maria Tereza Medeiros (coordenadora do Núcleo de Documentação e Pesquisa MARGS)

Paulo Gomes (crítico, curador e historiador da arte, professor do Instituto de Artes da UFRGS, coordenador do setor Acervo da Pinacoteca do IA/UFRGS)

Raul Holtz Silva (coordenador do Núcleo de Acervo MARGS)

Vera Chaves Barcellos (artista, diretora presidente da Fundação Vera Chaves Barcellos)

 

 

Apoio e Realização